O essencial e necessário para uma vida saudável


O que posso fazer para me prevenir: O essencial

Já vimos a importância da prevenção na saúde. Agora vamos perceber o que podemos fazer em concreto para cuidarmos de nós. Existem vários comportamentos que devemos e podemos adotar desde cedo para nos mantermos sãos e saudáveis.

Comecemos pelos básicos:

Vacinas

O primeiro passo na prevenção. As vacinas são uma das maiores vitórias da medicina no mundo, prevenindo e evitando mais doenças do qualquer outro tratamento médico.

As vacinas permitem erradicar doenças por completo e por isso são uma parte extremamente importante da segurança e saúde da civilização. É importante garantir que tem todas as vacinas em dia!

Especialmente para os idosos, é importante tomar todos os anos a vacina da gripe. O vírus da gripe evolui todos os anos e a toma da vacina melhorada ajuda a prevenir casos graves.

Exames anuais

Fazer o check-up geral anual é essencial para qualquer pessoa, independentemente da idade ou histórico de saúde. O médico irá analisar diversos pontos gerais da sua saúde como pressão arterial, frequência cardíaca, altura, peso, colesterol, níveis de glicose, etc. O acompanhamento da evolução destes indicadores é muito importante, porque qualquer alteração significativa pode alertar o médico para o diagnóstico precoce de uma doença. Qualquer doença é muito mais fácil de tratar, quando diagnosticada mais cedo.

As mulheres em especial devem ainda fazer um exame anual adicional com seu ginecologista, que fará um teste de Papanicolaou e um exame de mama para detetar quaisquer problemas de saúde.

Exames periódicos

Existem vários exames que devem ser feitos em períodos específicos da nossa vida, dependendo do nosso sexo, idade e histórico de saúde. Durante os exames anuais, o seu médico deve aconselhar os exames extra que devem ser feitos dado que conhece a sua história clínica. Ainda assim, lembre-se de perguntar. Estar informado também faz bem à saúde e pode aconselhar alguém que precise.

Alguns dos exames são: Diabetes, Cancro cervical, Cancro da mama, Cancro da próstata, Colesterol, Osteoporose, entre outros.

Check-up Psicológico

Quando as pessoas pensam em cuidados de saúde, muitas vezes a saúde mental é uma reflexão tardia. Mas, infelizmente, a depressão, a ansiedade e outros problemas de saúde mental podem levar a problemas psicológicos que causam disfuncionalidades, problemas de produtividade, profissionais, relacionais, financeiros e em casos extremos ao suicídio.

Problemas de saúde mental podem também levar ao transtorno e abuso de substâncias aditivas, pode afetar negativamente os nossos níveis de atividade e produtividade, hábitos alimentares, níveis de stress, o que leva a uma ampla gama de outras complicações de saúde, profissionais e financeiras.

Consultar um psicólogo e/ou um psiquiatra é muitas vezes visto como algo que se deve fazer quando passamos por um evento traumático, mas a verdade é que devíamos ter uma consulta, pelo menos, uma vez por ano para fazer uma avaliação e podermos ter aconselhamento profissional para aprendermos a desenvolver defesas mentais e inteligência emocional para lidar com tudo o que a vida nos traz.

Assim como fazemos um check-up físico anualmente, devemos também fazer um check-up mental. É importante quebrar o estigma de que o psicólogo/psiquiatra serve apenas para tratar um problema, estes profissionais especializados também nos ajudam a cuidar, manter e otimizar o nosso estado de saúde mental.

Mudar a perspetiva sobre a sua alimentação

Simplesmente controlar o que colocamos na nossa mesa não é suficiente para ter mais saúde. Na medicina preventiva, o aspeto nutricional mais importante é a mudança de perceção quanto à função do alimento.

É preciso refletir melhor sobre aquilo que os alimentos representam para o seu corpo e a sua saúde. A importância de um nutricionista é subvalorizada por muita gente. Mais do que emagrecer ou perder peso, o nosso regime alimentar deve estar de acordo com o nosso estado de saúde, condição clínica, idade, género e fase de vida. Um nutricionista ajuda-nos a criar um plano alimentar adequado ao nosso estilo de vida e objetivos, para nos mantermos saudáveis e nos sentirmos bem.

O que acontece a um carro se coloca o combustível errado? O mesmo que acontece connosco, perdemos energia, funcionamos mal e pode causar problemas irreversíveis a curto, médio e longo-prazo. Somos o que comemos, e o que comemos reflete-se em quem somos.

O que posso fazer para prevenir: O necessário

O que fazemos durante o é essencial para a nossa saúde, podemos divertir-nos e ser saudáveis ao mesmo tempo. Para isso é importante:

Ter um estilo de vida saudável e propenso à felicidade

Se não nos sentimos bem, ser feliz torna-se uma tarefa herculana. Felizmente, ser saudável é bem mais simples! Para começar temos de ter uma alimentação adaptada à nossa saúde, idade, fase de vida e objetivos, andar sempre devidamente hidratados, não fumar e evitar o consumo de bebidas alcoólicas, gaseificadas e açucaradas.

A prática de exercício regular também é essencial à promoção da saúde. Quem pratica atividade física ao longo da vida têm maiores chances de se manter ativo e autônomo por mais tempo. O exercício físico ajuda, por exemplo, na regulação da oxigenação das células e a ter um maior controlo da captação de glicose pelo sangue, dois aspetos essenciais para o funcionamento de órgãos nobres como coração, pulmão e cérebro.

O exercício físico é um fator de proteção tanto para a saúde física como para a saúde mental. Músculos treinados ao longo da vida, com as devidas precauções e aconselhamento profissional, são músculos mais fortes e saudáveis o que ajuda quando envelhecemos, por exemplo, a termos mais mobilidade. Outro importante benefício é que quando praticamos atividade física, existe uma maior produção de neurotransmissores (como a dopamina e a serotonina) que nos ajudam a ter um melhor controlo do sono, levando a menos stress e ansiedade, reduzindo a possibilidade de depressão.

Aprender a balancear a sua vida profissional e pessoal é também extremamente importante. Lembre-se que o sucesso profissional não é tudo na vida, mas a estabilidade financeira é um fator muito importante para a saúde mental de qualquer pessoa. A capacidade de equilibrar a vida de acordo com as nossas prioridades, ambições, capacidades e realidade é difícil, mas pode ser aprendida com a experiência. A questão é se vamos escolher aprender apenas com a nossa, ou também com a ajuda da experiência de profissionais especializados.

Para construir uma vida feliz, é importante ter ferramentas.

Recuperar o corpo e mente

O sono desempenha um papel vital na boa saúde e bem-estar ao longo da sua vida. Adquirir sono de qualidade suficiente nos momentos certos pode ajudar a proteger a sua saúde mental, saúde física, qualidade de vida, e segurança.

A forma como se sente enquanto está acordado depende em parte do que acontece enquanto dorme. Durante o sono, o seu corpo está a trabalhar para apoiar o funcionamento saudável do cérebro e manter a sua saúde física. Em crianças e adolescentes, o sono também ajuda a apoiar o crescimento e o desenvolvimento.

Os danos causados pela deficiência de sono podem ocorrer num instante (como um acidente de automóvel), ou podem prejudicá-lo ao longo do tempo. Por exemplo, a deficiência contínua de sono pode aumentar o seu risco de alguns problemas de saúde crónicos. Também pode afetar a forma como pensa, reage, trabalha, aprende, e se dá bem com os outros.

Trabalhar a inteligência emocional

Durante a nossa vida somos sujeitos a variadíssimas provas de força mental e emocional. Desde a perda de pessoas próximas, desgostos de amor, falhanços profissionais e pessoais, etc.

Saber lidar com as emoções ajuda a conter os impactos causados pelos transtornos de ansiedade, pelas alterações de humor ou por outras condições que favorecem os sintomas que provocam o declínio da saúde mental e emocional.

Saber lidar com as diferenças emocionais de forma efetiva é imprescindível para garantir mais estabilidade mental nas diferentes fases da vida. Muitos fatores contribuem com os desajustes psicológicos que, muitas vezes, evoluem para o desequilíbrio mental e o agravamento das doenças degenerativas.

A terapia, como falado anteriormente, é uma ferramenta fortíssima para nos ajudar a ser mais fortes e saudáveis mentalmente, mas podemos também ter outras atividades que nos ajudem a trabalhar a mente.

Praticar desportos de equipa, meditar, sair da zona de conforto, viajar, conhecer pessoas novas, comunicar honestamente e abertamente, aprender a tocar um instrumento, aprender uma nova língua, saborear o momento, agradecer por tudo o que temos, ouvir música, aprender algo novo. Todas estas atividades ajudam-nos, à sua maneira, a trabalhar a nossa saúde mental e a nossa inteligência emocional.

Como? Os desportos de equipa ajudam-nos a aprender a trabalhar em conjunto para um objetivo, saber lidar com a derrota e frustração, saber lidar com a vitória e humildade. Viajar ajuda-nos a conhecer novas culturas, novas perspetivas e obriga-nos a sair da nossa zona de conforto. Tocar e ouvir música ativa partes do nosso cérebro que dificilmente ativamos de outra maneira, leva-nos para um estado de meditação, muitas vezes inconscientemente. Agradecer, relembra-nos de tudo que temos na nossa vida que nos deixa feliz, ajudando-nos a melhorar a perspetiva com que vemos o mundo.

Comece hoje a cuidar de si

Não tem tempo para ter todos estes cuidados? Nós podemos ajudar! A Ferreira da Cunha Saúde leva a sua casa profissionais especializados em mais de 10 valências. Os cuidados que precisa, onde quiser.

A Ferreira da Cunha Saúde é uma empresa que presta serviços de saúde e bem-estar ao domicílio na zona da grande Lisboa e Online a nível nacional. Tem serviços médicos, enfermagem, fisioterapia, cuidados especializados e muito mais!

Clique aqui para saber mais

Clique aqui para reservar online

Referências

World Health Organization http://www.who.int/en/

Hibbard, J.H., Greene, J. (2013). What the evidence shows about patient activation: better health outcomes and care experiences; fewer data on costs. Health Affairs; 32(2), 207-14.

Hibbard, J.H., Greene, J., Overton, V. (2013). Patients with lower activation associated with higher costs; delivery systems should know their patients’ ‘scores.’ Health Affairs; 32(2), 216-222.

Manning, W.G., Keeler, E.B., Newhouse, J.P., Sloss, E.M., Wasserman, J. (1991). The cost of poor health habits. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.

https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/sleep-deprivation-and-deficiency

https://www.hopkinsmedicine.org/health/wellness-and-prevention/keep-your-brain-young-with-music

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo